Catadores de Jardim Gramacho criticam fechamento antecipado do aterro

Após 36 anos de funcionamento, o Aterro Sanitário de Gramacho vai fechar. A data programada para isso era 5 de junho, mas foi antecipada pela Prefeitura do Rio de Janeiro para 23 de abril. O que já era motivo de apreensão entre os catadores de materiais recicláveis passou ao nível do desespero. Quase 1900 trabalhadores temem ficar sem atividades e perspectivas com a desativação do local.

O prefeito Eduardo Paes anunciou a decisão na última terça-feira, 10 de abril, de olho na Rio+20, a conferência de meio ambiente da ONU que será promovida no Rio de Janeiro em junho. Antes do anúncio, os catadores contavam com o amparo de um “plano de transição” negociado com o Instituto Estadual do Ambiente (INEA), a Prefeitura de Duque de Caxias e o Governo Federal.

Entretanto, a decisão de Paes atropelou os acordos feitos para minimizar os impactos sociais decorrentes do fechamento, segundo o Conselho de Lideranças dos catadores, já que não será possível tirar do papel todas as medidas prometidas no plano de transição.

Entre as promessas está o uso antecipado de um fundo de R$ 1,4 milhão para garantir renda mínima aos catadores e financiar políticas de inclusão, criado a partir dos lucros obtidos com o gás metano captado no aterro. Uma parte do valor seria usado para estruturar as cooperativas já existentes para a coleta seletiva de Caxias, alternativa de trabalho sustentável para os catadores e que adequaria o município à Política Nacional de Resíduos Sólidos. Outra parte serviria para capacitar quem quisesse continuar o trabalho seletivo e indenizar os interessados em mudar de atividade.

“Queremos respostas concretas sobre como vamos alimentar nossos filhos a partir do dia 24 de abril, já que o prefeito do Rio de Janeiro disse que o Aterro fechará dia 23 de abril”, questionou, em nota, o presidente da Associação dos Catadores do Aterro de Gramacho (ACAMJG), Sebastião Santos.

A categoria, responsável pela seleção de cerca de 200 toneladas diárias de materiais reaproveitáveis, planeja uma manifestação pacífica no Rio na próxima segunda-feira, 16, caso a situação não se resolva até lá.